Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEU ALENTEJO

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

MEU ALENTEJO

31
Mai10

ALMODÔVAR MAIS UMA VEZ, DEU PROVA QUE É UMA TERRA SOLIDÁRIA

silvia
BETE CRISTINA E OUTRAS VOLUNTARIAS
NO BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME
BETE CRISTINA NO BANCO ALIMENTAR EM BEJA
BETE CRISTINA SEMPRE SOLIDÁRIA A AJUDAR
ALMODÔVAR MAIS UMA VEZ, DEU PROVA QUE É UMA TERRA SOLIDÁRIA,DESTA VEZ NA COLABORAÇÃO NO BANCO ALIMENTAR DIAS 29 E 30 DE MAIO .
QUE O SENHOR AJUDE A TODOS OS QUE DE UMA MANEIRA OU OUTRA COLABORARAM . DA NOSSA PARTE OBRIGADO
ESCRITO POR ANA BARÃO
 

ORAÇÃO DA FAMÍLIA

QUE NENHUMA FAMÍLIA COMECE EM QUALQUER DE REPENTE,

QUE NENHUMA FAMÍLIA TERMINE POR FALTA DE AMOR,

QUE O CASAL SEJA UM PARA O OUTRO DE CORPO E DE MENTE,

E QUE NADA NO MUNDO SEPARE UM CASAL SONHADOR.

QUE NENHUMA FAMÍLIA SE ABRIGUE DEBAIXO DA PONTE,

QUE NINGUÉM INTERFIRA NO LAR E NA VIDA DOS DOIS,

QUE NINGUÉM OS OBRIGUE A VIVER SEM NENHUM HORIZONTE,

QUE ELES VIVAM DO ONTEM, NO HOJE E EM FUNÇÃO DE UM DEPOIS

QUE MARIDO E MULHER TENHAM FORÇA DE AMAR SEM MEDIDA,

QUE NINGUÉM VÁ DORMIR SEM PEDIR OU SEM DAR O SEU PERDÃO

QUE AS CRIANÇAS APRENDAM NO COLO O SENTIDO DA VIDA,

QUE A FAMÍLIA CELEBRE A PARTILHA DO ABRAÇO E DO PÃO.

QUE MARIDO E MULHER NÃO SE TRAIAM NEM TRAIAM SEUS FILHOS,

QUE O CIÚME NÃO MATE A CERTEZA DO AMOR ENTRE OS DOIS

QUE NO CEU  O FIRMAMENTO A ESTRELA QUE TEM MAIOR BRILHO

SEJA A FIRME ESPERANÇA DE UM CÉU AQUI MESMO E DEPOIS

Refrão

 

QUE A FAMÍLIA COMECE E TERMINE SABENDO ONDE VAI

E QUE O HOMEM CARREGUE NOS OMBROS A GRAÇA DE UM PAI

QUE A MULHER SEJA UM CÉU DE TERNURA

 ACONCHEGO E CALOR

E QUE OS FILHOS CONHEÇAM A FORÇA QUE BROTA DO AMOR

 

ABENÇOA SENHOR AS FAMÍLIAS AMÉM   !    ( bis)

ABENÇOA SENHOR  A   MINHA TAMBÉM 

28
Mai10

Papoila do Alentejo

silvia

Papoila do Alentejo

Pintada no doirado das searas,
frágil papoila rubra dos trigais,
lembra um rubi em flor, é jóia rara,
dançando ao som dos ventos estivais.


Papoila, prisioneira do suão,
cativa do chão seco onde se deita,
irmã da triste espiga magra em pão,
sofre com ela a dor da má colheita.


Mas quando a aurora rompe em alvoradas,
as pétalas sedosas, encarnadas,
P’lo espaço, vão libertas esvoaçando,


E a humilde papoila colorida,
é lágrima de sangue, dor sentida,
Que em desalento a terra vai chorando.




Orlando Fernandes (Alentejo… e Outros Poemas )

27
Mai10

PRELÚDIO

silvia
PRELÚDIO

Da terra alentejana as graças canto
Em versos claros de lirismo e cor.
Traduzo a vida, a luz e tudo quanto
...Distingue e doira o meu país de amor.

Com devoção exalto, ao céu levanto:
O vinho feito sol, o trigo em flor,
A lã divina, a calma do seu manto,
A carne, o pão, e o tempo criador.

A vida escuto, a sua origem traço,
Da seiva ausculto a vibração que morre
Em voz e cor de cântico disperso...

Com alma e fé a linda terra abraço,
Aspiro o forte aroma que a percorre
E tento dá-lo, vivo, a cada verso...



Celestino David



Nasceu na Covilhã, em 1880 e faleceu em Évora, em 1952, depois de ter vivido quase meio século no Alentejo.

Como poeta, publicou: "O Livro de um Português"; "Alentejo Terra de Solidão"; "Poemas Regionais"; "Évora Rapsódia de Imagens" e "Poemas Alentejanos".

Foto de João Espinho

27
Mai10

IX FEIRA DOS SABERES E SABORES DA SERRA (29 e 30 de Maio) - Santana da Serra - Ourique

silvia

Programa

Sábado

11h00 Grupo “Maravilhas do Alentejo”
12h00 Rancho Folclórico de Tunes
14h00 Grupo Instrumental de Montoito
17h00 Grupo “Amantes do Alentejo”
21h00 Baile com Telma Cristina

Domingo
11h00 Grupo Instrumental “Lírios do Campo”
14h00 Grupo “Afluentes do Sado”
14h00 Encontro Temático sobre a Apicultura, Associativismo e Melarias
14h00 Animação Infantil de rua
17h00 Grupo “Os Diversos do Alentejo”
21h00 Baile com Mónica Guerreiro 

25
Mai10

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME

silvia

23
Mai10

Provérbios

silvia

Tanta chuva pelas candeias, tantas abelhas pelas colmeias.
Tanta vez vai o rato ao moinho, que um dia fica lá com o focinho.
Tantas cabeças, quantas sentenças.
Tantas vezes vai o cântaro à fonte que um dia lá fica a asa.
Tanto lês, que treslês.
Tanto vale cada um na praça, quanto vale o que tem na caixa.
Tantos dias de geada terá Maio, quantos de nevoeiro teve Fevereiro.
Tão ladrão é o que vai à horta, como o que fica à porta.
Tão ladrão é o que vai à vinha, como o que fica à espreita.
Tem o porco meão pelo S João (24/06).
Tempo de Santa Luzia, cresce a noite, minga o dia.
Tempo é dinheiro.
Temporã é a castanha que por Março arrebenta.
Todo o burro come palha, é preciso é saber dar-lha.
Todos os caminhos vão dar à ponte, quando o rio vai de monte a monte.

 

Pág. 1/8

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D