Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEU ALENTEJO

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

MEU ALENTEJO

29
Jan11

O Alentejo que paisagem natural...

silvia
O Alentejo que paisagem natural...
Campos planos,
Oliveiras, sobreiros,
Montes, ruínas,
O Alentejo que paisagem natural...
No inverno, tudo branco de geada,
No Verão o sol queima,
O Alentejo que paisagem natural...
Gente simples e húmilde,
Povo acolhedor, simpático
Uma tradição antiga,
Ser Alentejano é uma benção,
O Alentejo que paisagem natural...
 
Maria Rosa Batinha Alho
haus/6.gif

29
Jan11

Ó meu querido Alentejo

silvia
Ó meu querido Alentejo
Há muito que não te via
Quando eu vou e te vejo
Ó meu querido Alentejo
Teu encanto me extasia

Com tua grande beleza
Minha alma se inibria
Tenho disso a certeza
Me invade imensa alegria
E stress se vai, e fica leveza

Tudo ao redor, nos acalma
É bom estar junto de ti
Que se entranha na alma
Ai como eu gosto de ti
Da terra que um dia nasci

Os teus campos verdejantes
Nessas paisagens, sem par
Ao vê-los são relaxantes
Actuam como calmantes
Como o Alentejo, pode curar
 
Maria Rosa Batinha Alho
liebe/hartjeslijn6.gif

29
Jan11

És Planície imensa

silvia
És Planície imensa
 
Que se abraça no horizonte ao pulsar da alma
Os teus olhos são searas de trigo
De lavouras por colorir
As tuas mãos trazem a paixão dos caminhos
Nas papoilas e giestas que aromatizam o teu toque
E o teu corpo é Sol da tarde num Agosto irrepetível

És sede de verão
Saciada pela água da fonte do meu Ser
És vinho que degusto em provas dadas de desejo
Nascido das vinhas da esperança
Onde floresce o fruto do Querer
Vestes a pele do teu puro Ser
És da tempestade a doce bonança

És Pôr-do-sol que apraz, num manifesto Sentir
Meu Alentejo de Paz, és tanto por descobrir!

És Brisa e tranquilidade
Luta e puro fascínio
És Amor e Amizade
E da Vida o meu Desígnio!
 
 
Maria Rosa Batinha Alho
glitzer_linie/81.gif

29
Jan11

MÉRTOLA MINHA TERRA MINHA VIDA

silvia
MÉRTOLA MINHA TERRA MINHA VIDA
O Castelo e a Igreja

Do alto da colina, muito desgostoso,
queixava-se dantes à Igreja Matriz,
um pouco abaixo, o Castelo, ruinoso,
com Mértola em pendor, em sinuosos perfis,

e dizia: «Sinto-me em estado lastimoso.
Turista que aqui venha o mesmo de mim diz.
Eu que no passado fui heróico, grandioso!...
E a vizinha Igreja parece, de branca, feliz...»

«Olhe, vizinho Castelo, não me leve a mal»,
começa, com pena, a Igreja a dizer,
«mas eu da religião sou, você foi marcial...

Antigos somos, mouros fomos, não esquecer,
mas eu, eterna, ensino Deus, paz, moral...
Você tem, em paz, de ao Bem se converter.»
 
Mírtilo
 
 http://mertola-eu-e-a-vida.blogs.sapo.pt/
 

29
Jan11

Ó meu querido Alentejo

silvia
Ó meu querido Alentejo
Há muito que não te via
Quando eu vou e te vejo
Ó meu querido Alentejo
Teu encanto me extasia

Com tua grande beleza
Minha alma se inibria
Tenho disso a certeza
Me invade imensa alegria
E stress se vai, e fica leveza

Tudo ao redor, nos acalma
É bom estar junto de ti
Que se entranha na alma
Ai como eu gosto de ti
Da terra que um dia nasci

Os teus campos verdejantes
Nessas paisagens, sem par
Ao vê-los são relaxantes
Actuam como calmantes
Como o Alentejo, pode curar
 
Maria Rosa Batinha Alho
blumen_natur/1173490072.gif

29
Jan11

Ó meu Alentejo

silvia

Ó meu Alentejo

Terra de encantar

Quando te não vejo

Ai eu fico a chorar) Bis

Com a nostalgia

Porque tive de abalar

De ti certo dia) Bis

Cheio de paixão

Tu és alegria )Bis

No meu coração

 

Ó meu Alentejo

De beleza sem par

Sempre que eu te vejo

Ai eu quero cantar) Bis

Com toda alegria

E assim partilhar

O que me extasia) Bis

Mais belo não vi

Onde eu certo dia )bis

Em ti eu nasci

 

Ó meu Alentejo

Do meu coração

Ai sinto o desejo

De ouvir o Baldão) Bis

Canto dessa gente

Modo de cantar

E o grupo contente) Bis

E para afinar

Vai a aguardente

Para animar

 

José Matos

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D