Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEU ALENTEJO

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

MEU ALENTEJO

26
Fev11

Encharcada do Convento de Santa Clara

silvia

ÉVORA

Ingredientes:
22 gemas de ovos + 4 claras ;
750 g de açúcar ;
canela

Confecção:
Leva-se o açúcar ao lume com 2 dl de água e deixa-se ferver até fazer ponto de pérola muito fraco. Entretanto, batem-se os ovos.
Estando a calda no ponto, deitam-se-lhe dentro os ovos, lentamente e através de um passador de rede e em movimentos circulares. Deixa-se cozer a encharcada, espetando-a com uma espátula, dos lados para o meio, para evitar que ganhe crosta.
Retira-se a encharcada do lume quando os ovos estiverem cozidos, mas ainda com um pouco de calda. Os ovos ficam com o aspecto de trouxas de ovos partidas em bocadinhos.
Deita-se num prato fundo, polvilha-se com canela e leva-se a encharcada a forno bem quente só para tostar.

Esta é uma das receitas de doçaria tradicional de que os Alentejanos mais se orgulham.

26
Fev11

Ensopado à Pastora

silvia

BEJA

Ingredientes:
Para 10 pessoas

1 borrego pequeno ;
3 dl de azeite ;
1 cebola com casca ;
2 dentes de alho ;
2 folhas de louro ;
sal e pimenta ;
1,5 kg de pão caseiro duro

Confecção:
Corta-se o borrego aos bocadinhos e tempera-se com sal. Deita-se o azeite no fundo de um tacho e introduz-se a cebola com a casca, o alho e o louro. Quando o azeite estiver bem quente, junta-se a carne e tempera-se com sal e pimenta. Tapa-se e leva-se a cozer em lume muito brando, agitando-se o tacho de vez em quando e juntando pinguinhos de água. Rectificam-se os temperos (sal e pimenta) e a água.
Corta-se o pão ás fatias finas para um prato coberto e rega-se com o ensopado.

Hoje há quem junte uma colher de sopa de colorau a este ensopado, mas os pastores fazem-no sem ele.

26
Fev11

Sopa de Beldroegas com Queijinhos e Ovos

silvia

Sopa de Beldroegas com Queijinhos e Ovos

Ingredientes:
Para 4 pessoas
2 molhos de beldroegas ;
2 cebolas ;
500 g de batatas ;
1,5 dl de azeite ;
1 cabeça de alhos ;
500 g de pão caseiro ou de 2ª ;
4 ovos ;
2 queijinhos frescos

Confecção:
Preparam-se as beldroegas aproveitando apenas as folhas. Os molhos devem ser grandes. Cortam-se as cebolas ás rodelas e alouram-se com o azeite. Juntam-se as folhas de beldroegas lavadas e deixam-se refogar muito bem mexendo com uma colher de pau. Regam-se com cerca de 2 litros de água e deixa-se levantar fervura.
Retiram-se as peles brancas à cabeça dos alhos, que se introduz inteira (sem retirar a pele roxa de cada dente de alho) na panela com o caldo a ferver. Juntam-se ainda as batatas cortadas ás rodelas grossas. Tempera-se a sopa de sal e deixa-se cozer.
Na altura de servir, introduzem-se no caldo os ovos um a um e deixam-se escalfar. Por fim metem-se na panela os queijinhos cortados aos quartos.
Tem-se o pão cortado ás fatias numa terrina e rega-se com o caldo.
À parte servem-se as batatas, os ovos, as beldroegas e os queijinhos.

Variante: Substituem-se os queijinhos frescos por um queijo de leite de ovelha fervido, cortado aos bocados. Na região de Évora, esta sopa não leva cebola, mas uma maior quantidade de alhos inteiros e sem serem pelados.

26
Fev11

Alentejo planície dourada

silvia

Alentejo planície dourada
Com teus campos floridos
Outra beleza não há igual
És pintura da natureza
Que representa nosso Portugal.

Quando chega a primavera
Como é belo o que vejo
São as cores do arco-íris
Cores do meu alentejo

Meu alentejo é uma aguarela
Que Deus deixou pintar
É das telas mais belas
Que meus olhos podem admirar.

Alentejo tens vilas e aldeias
Com tua pintura original
Casas de branco caiadas
Outra região não tem igual

Meu querido alentejo
Tens o brilho do ouro
Assim eu te vejo
Em ti tenho orgulho.
 
Maria Rosa Batinha Alho

26
Fev11

Como um verdejante ramo de oliveira,

silvia

Como um verdejante ramo de oliveira,
foi na minha vida, a mais bela forasteira,
que foi um oásis, num ardente agreste...
Que deixou minha alma em conflito,
onde na noite, se perdia o meu grito,
em fechadas matas de cipreste.

Onde o amor nasceu, numa escala tão larga,
onde foi dificil, suportar tamanha carga,
que trouxe-me calor, num rigoroso inverno.
Amor, que nasceu com uma força colossal,
que dominou me, com um toque tão natural,
que pareceu me, ser um sentimento eterno.

Senti preso, como numa arena da antiga Roma,
mas, ao sentir, que podia entrar em coma
tentei me livrar, dessa garra tão infernal.
Depois de longos tempos,sem ver a lua cheia,
devagarinho, aos poucos me clareia,
por que busquei ajuda ,numa catedral.

Consegui fugir daquele mundo perdido,
do qual, várias vezes ví-me vencido,
mas ela, numa tarde, esse lugar deixou...
Embora o meu mundo ficou tão incerto,
consegui, florir aquele meu deserto
por que ela mesma, esse amor levou...

 

GIL DE OLIVE

25
Fev11

AMORES DE VERÃO

silvia


Tardes de estio do meu Alentejo
Com moças belas, na rua, passando,
Vagos olhares, rubor de desejo,
E no meu coração as ia guardando.

E iam, e vinham, arranjando ensejo,
E eu, mudo e quedo, amava-as, olhando
O ar furtivo que me atirava um beijo
Perdido nas pedras que iam pisando.

E na tarde morna, cálida, amena,
Nasciam amores cheios de pena
P´los que morriam no mesmo momento,

Ao ver as moças passando, maldosas,
Co´o lenço escondendo as faces de rosas
E risos enchendo o meu pensamento.

 

António José Barroso

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D