Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEU ALENTEJO

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

MEU ALENTEJO

23
Fev12

ALENTEJO PERFUMADO!!!

silvia

 

ALENTEJO PERFUMADO!!!

Nos jardins do alentejo
  Vive-se um sonho arrebatador
  Quem gosta mata o desejo
...  No meio de tanta flôr

O alentejo é um jardim
  Passear nele é um prazer
  Com o cheiro do alecrim
  Por entre os campos a nascer

Rosmaninho,que tão bem cheira
  E o poejo perfumado
  A hortelã da ribeira
  A nascer em todo o lado

Entre as cores e o perfume
  As serras e os montados
  O pôr do sol como lume
  E os jardins tão bem plantados

M.Medeiros 23/02/2012

22
Fev12

Bolo do Monte.

silvia

 

Bolo do Monte.
Receita em verso, 
Três chávenas que são de almoço,de muito boa farinha.
Fermento em pó duas pequenas colheres.
... Assucar leva uma chicara,de manteiga outra.
Uma de leite e trez ovos eis a receita escripta.

Depois da manteiga o assucar.
Tudo muito bem misturado.
O leite frio e farinha.
E gemmas se vão addicionando.
As claras bem batidas.
Juntando a tudo se vão.
Mas perto de ir para o forno.
Só as claras se deitarão.
Em lata bem untada de manteiga.
Vae uma hora a cozer.
É um bolo excelente.
para a sobremesa comer.

(Receita em  verso de D.Maria Christina irmã do Primeiro Ministro da República Manuel de Arriaga,a escrita está exatamente como se encontrou a receita.)

22
Fev12

O entrudo era engraçado

silvia


 O entrudo era engraçado
Da forma tradicional
Porque hoje está tudo mudado
... Nem parece o carnaval

Ainda tenho na lembrança
Como a festa era passada
Grupos de rapaziada
Faziam, ensáios de dança
Percorriam a vizinhança
Com tudo bem preparado
Era tudo bem ensáiado
E feito com imaginação
Por esses tempos de então
O entrudo era engraçado

Esses grupos ensáiados
Ali com toda a perfeição
Ao toque do acordeão
Pelo mandador comandados
Todos os tempos bem marcados
Era a alegria do pessoal
Constituia o prato principal
O ponto alto da festa
Hoje ,recordar só nos resta
A forma tradicional

Em qualquer parte aparecia
Malta a fazer palhaçadas
Tudo cenas engraçadas
E ninguem se aborrecia
Todo o pessoal se ria
Quando aparecia um mascarado
Bem vestido e disfarçado
A mostrar que era o entrudo
Hoje já desapareceu quase tudo
Porque hoje está tudo mudado

Hoje ,tudo está diferente
Já não se ve ensáiados
Quase não se ve encaraçados
Como se via antigamente
Brincadeiras para alguma gente
Hoje até levam a mal
Tudo mudou afinal
Nesta nova geração
Hoje não tem comparação
Nem parece o carnaval

Manuel Silva Graça

22
Fev12

CEIFEIRAS DO ALENTEJO

silvia

 

Poema de ADA TAVARES - CEIFEIRAS DO ALENTEJO

Figurinhas que se agitam graciosas
Entre o trigo já maduro a ondular,
Com seus doirados chapéus
... De abas voltadas aos céus
Lembram lindas borboletas a voar.
E se alguém passa e atira um “Salve-as Deus!
Há franqueza no sorriso e no olhar,
Enquanto ao som de cantigas
Abraçam molhos de espigas
E a foice vai ceifando sem parar.
Ceifeira,
Não ceifes assim à toa…
Se a seara não está boa
Deixa-a na terra ficar!
Ceifeira,
Vê bem onde a foice pões
Que há searas de ilusões
‘inda verdes pra ceifar…
Como o trigo a seu tempo é ceifado,
Pelos campos desta vida, é bem de ver,
Toda a fruta sazonada
Precisa ser apanhada
Muito antes de secar e se perder…
E as ceifeiras vão ceifando e vão contando
Uma história, para animar, dita a preceito…
Olham-se as moças coradas,
Sobem ao ar gargalhadas,
E a foice ceifa tudo, ceifa a eito.
Ceifeira,
Não ceifes assim à toa…
Se a seara não está boa
Deixa-a na terra ficar!
Ceifeira,
Vê bem onde a foice pões
Que há searas de ilusões
‘inda verdes pra ceifar…

Pintura de José António do Vale Soares
para o grupo ATG

22
Fev12

MEU ALENTEJO,MINHA SAUDADE

silvia

 

MEU ALENTEJO,MINHA SAUDADE

De ti eu gosto tanto
Por ti me apaixonei
Da beleza do campo
... E da vida que em ti deixei

Meu alentejo
Minha paixão
Meu berço adorado
Contigo no coração
Estou sempre ao teu lado
Sem nunca te esquecer
Porque o amor está em mim
Por ti choro em pranto
São lágrimas,enfim...
De ti eu gosto tanto

Em ti nasci...
Vivi no teu seio
De ti saí...
Mas a saudade comigo veio
Os meus olhos iluminas
Com vontade de estar aí
Pra ver o que deixei
Sentir o teu cheiro
O meu amor verdadeiro
Por ti me apaixonei

Volto sempre pra te ver
E também proteger
A tua beleza natural
De branco,não fica mal
Ao contrário ilumina
E ao virar de cada esquina
Sonhar com teu encanto
Olhar em liberdade
Sentir vaidade
Da beleza do campo

Á distância te recordo
Noite e dia não me importo
Por ti vivo a sonhar
Dou comigo a pensar
Na beleza do teu ser
Porque um dia voltarei
Eternamente,podes crer
Pra matar a saudade
De tanta liberdade
E da vida que em ti deixei

M.Medeiros 20/02/2012

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D