Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEU ALENTEJO

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

ESTE BLOG E DEDICADO AO ALENTEJO E A MINHA TERRA QUE SE CHAMA "ALMODÔVAR"

MEU ALENTEJO

25
Jan16

CARLOS ROSA Almodôvar

silvia

CARLOS ROSA

Almodôvar

Carlos Manuel da Palma Rosa é um artesão tecelão, há trinta anos a exercer esta arte. Uma arte que já existe na sua família há pelo menos 300 anos.

Este projecto de vida começa quando volta a Portugal e ao Alentejo. Teve a oportunidade de frequentar um curso de tecelagem e a paixão pelo tear foi espontânea, mantendo-se perto dos teares da associação formadora, que ficaram à sua disposição e responsabilidade.

A convite da Câmara Municipal de Almodôvar participa em feiras de artesanato pelo pais fora, promovendo os produtos que eram confeccionados por si e por outras pessoas que trabalhavam na oficina de tecelagem da Juventude Almodôvarense, sediada na antiga escola primária dos Curvatos.

“Esta arte é um mistério assim como a vida, um movimento contínuo mas sempre com surpresas e novidades que nos chateiam e depois nos alegram e ficamos com a agradável sensação de fazer coisas novas com o desconhecido. É como um romance em que existe uma teia, mas com uma trama para desenrolar. A ligação com os fios, com a teia e com o tear faz com que todos os dias sejam diferentes. É a música, o cantar do tear. É a diversidade de uma arte que nos enche a vida com a sua exigência e com as inúmeras possibilidades e desafios com que nos confrontamos. É sempre a surpresa de quem nos encomenda um trabalho e ficamos a ver no seu olhar que o produto que adquiriram não é só um uma compra mas também uma obra de arte de outra altura que volta do passado aos nossos dias.”

Carlos Rosa combate a extinção da tecelagem e, mais ainda, tenta (e consegue) viver dela. Desafia a falta de apoios na conjuntura actual e afirma-se na promoção e dinamização de uma arte que considera património português. Fá-lo também pelo seu amor pelo Alentejo, onde nasceu.

A Alentejo é, assim, o tema principal da sua inspiração e, como nas modas do Cante, tudo gira em torno dos campos, natureza e tradições.

Receia o esquecimento do artesanato e apela à formação, promoção e incentivos. Acredita nas vastas potencialidades das artes e ofícios tradicionais e que o seu exercício é benéfico e até saudável.

PRODUTOS DESTE CRIADOR

MANTA DE RETALHOS 

TAPETE DE RETALHOS 

MANTA DE LÃ

MANTA DE ALGODÃO FB_IMG_1453754178298.jpg

14
Dez13

ALMODÔVAR

silvia

 

ALMODÔVAR

Serena,aconchegada entre olivais
clarinha, alvinitente às madrugadas...
Oliveiras,chaparros,outras mais
onde se esconde à tarde a passarada.

Num extremo a velha ponte secular
remonta a medievais legiões.
Noutro um convento de antigos ermitões
que esta terra escolheram para orar.

Santo Amaro,veneranda capelinha
na colina,sentinela vigilante
velando este povo abençoado

A seus pés,a marulhar mansinho
corre a ribeira,lenta,murmurante,
e conta a Almodôvar lendas do passado...

Ataílda Godinho-1992

20
Fev11

ALMODÔVAR

silvia
ALMODÔVAR
Terra de Afectos
que aprofundam e interiorizam
todas as presenças do passado,
continuando fiel às suas origens,
às suas tradições e à sua história
que faz questão de manter bem vivas!
O Alentejo que paisagem natural...
Campos planos,
Oliveiras, sobreiros,
Montes, ruínas,
O Alentejo que paisagem natural...
No inverno, tudo branco de geada,
No Verão o sol queima,
O Alentejo que paisagem natural...
Gente simples e húmilde,
Povo acolhedor, simpático
Uma tradição antiga,
Ser Alentejano é uma benção,
O Alentejo que paisagem natural...
 

20
Jan11

Alentejo Raiano

silvia

 

Esta é a vasta planície alentejana
Uma terra doirada, quente, sofrida
Estes campos cheios de azeite, de pão… e de vida
...Neste Alentejo profundo, zona raiana.

Ao longe vê-se a Espanha… ”Nuestra hermana”
Campos a perder de vista… grande avenida
Paisagem idílica, bucólica… aqui esquecida
Tão nossa… Tão portuguesa… não Castelhana!

Terra tão agreste, tanto suor, lágrimas, sofrimento
Celeiro da nação… tantas vezes no esquecimento
Moura encantada em teu castelo de paixões…

Esta planície é de todo um povo em oração
Que do nada criou vida, vinho… o nosso pão
Alentejo Raiano, sonho, ilusões!...

Dinis Muacho
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D